A preparar o seu { novo } eu.

Check-up Atleta

O que é o Check-up Atleta?

A prática de exercício físico e os benefícios do desporto são fundamentais para o seu bem-estar e para manutenção de um estilo de vida saudável.
É por isso essencial garantir que reúne as condições necessárias para a prática de exercício físico com segurança.
O check-up atleta engloba um conjunto de exames de diagnóstico e uma consulta de medicina desportiva, que tem como objetivo avaliar a sua condição física para a prática desportiva que realiza ou pretende realizar. 

Porque deve realizar o Check-up Atleta?

- Avaliar se a sua aptidão física e o seu estado de saúde se adequam à prática do exercício físico que realiza ou pretende praticar
- Prevenir e reduzir o risco associado à ocorrência de eventos cardíacos na prática de exercício físico

Qual a duração do tratamento?

Todos os exames e consulta incluídos no check up são realizados numa manhã.

Quem faz a consulta/tratamento?

A consulta é realizada pelo Dr. Diogo Miranda Santos

A quem se destina?

· Iniciantes
· Praticantes ocasionais
· Praticantes assíduos
· Atletas federados (será fornecido um atestado oficial para federados, sempre que solicitado)

Segundo a American College of Sports Medicine, é recomendável efetuar um check-up desportivo anual, se se enquadrar em pelo menos duas das situações referidas abaixo:
· Não praticar exercício físico há 3 meses ou mais;
· Ter excesso de peso ou ser obeso;
· Ser fumador/a ou ter deixado de fumar;
· Ter níveis elevados de colesterol ou hipertensão arterial ou história de diabetes
· Ter antecedentes familiares de patologias cardiovasculares ou história de morte súbita;
· Os benefícios da atividade física advêm de pelo menos 150 minutos de atividade física moderada por semana. 

Porque deve fazer um Check-up Atleta?

A investigação tem vindo a evidenciar que a prática regular de exercício físico tem diversos benefícios, tanto na saúde física, como mental. Além de contribuir para um melhor controlo do peso devido ao gasto de calorias associado, a atividade física melhora a saúde cardiovascular, respiratória, metabólica, mental, ajudando até a prevenir quedas, especialmente no caso dos idosos.

O exercício físico pode ter um impacto direto no controlo de peso, tendo em conta que permite o gasto de calorias. Assim, é possível equilibrar as calorias totais através da alimentação (as que ingerimos) e do exercício (as que gastamos). Conseguir uma gestão de calorias que vai ao encontro das nossas necessidades é essencial para evitar o ganho de peso e acumulação de gordura que pode dar origem a problemas de saúde, nomeadamente doenças crónicas.

Diminui a pressão arterial
Estudos demonstram que o exercício físico é capaz de controlar o valores da pressão arterial. Por essa razão, a Norma da Abordagem Terapêutica da Hipertensão Arterial da DGS sugere a prática regular e continuada de exercício físico, durante 30 a 60 minutos, quatro a sete dias por semana, principalmente aos indivíduos com níveis de pressão arterial elevados.

Contribui para o tratamento da doença coronária
O exercício físico melhora o perfil lipoproteíco, a proteína C reativa e outros marcadores biológicos. Nesse sentido, as guidelines da Sociedade Europeia de Cardiologia destacam o papel do exercício físico no tratamento e prevenção das doenças do coração.

Amplia a sensibilidade à insulina, tornando-a mais eficaz
Há evidência de que o exercício físico contribui para o controlo glicémico e da Diabetes Mellitus tipo 2. Por esse motivo, a Norma da Abordagem Terapêutica Farmacológica na Diabetes Mellitus Tipo 2 no Adulto da DGS recomenda a dieta e o exercício físico como duas medidas que contribuem para o controlo da diabetes, as quais devem ser, naturalmente, complementadas com a toma dos fármacos prescritos pelo médico.

O exercício físico estimula a produção de insulina e o seu transporte para as células. Isto, porque quando praticamos atividade física moderada a intensa, o pâncreas é estimulado a produzir insulina, o que vai permitir a entrada de glicose nas células musculares. Essa glicose será usada como energia pelos músculos e não ficará acumulada no sangue.

Para isso, bastam 150 minutos de atividade física moderada a intensa distribuídos ao longo da semana para usufruir deste efeito. Alguns dos exercícios físicos que podem ser feitos são, por exemplo: andar de bicicleta, caminhar (pelo menos 30 minutos, de preferência em piso plano e regular), fazer natação, passear o cão, praticar jogos coletivos (futebol, andebol, entre outros).

Aumenta a capacidade muscular e a flexibilidade, diminuindo o risco de queda
Principalmente nos idosos, o exercício físico pode aumentar a capacidade muscular e a flexibilidade, o que resulta numa redução do risco de queda. Além disso, a atividade física é capaz de preservar a massa óssea, tornando os ossos mais resistentes a fraturas.

Assim, a prática de exercício físico é recomendada, por exemplo, a quem sofre de osteoartrose do joelho, de acordo com as guidelines do American College of Rheumatology (ACR) e da European League Against Rheumatism (EULAR), e a quem tem osteoporose, segundo as guidelines internacionais.

Atua sobre diversos aspetos da saúde mental
O exercício físico também é capaz de reduzir a ansiedade; melhorar a sensação de bem-estar, a qualidade de vida e as funções cognitivas; e diminuir o risco de declínio cognitivo e de demência (em indivíduos acima dos 65 anos). Tem ainda impacto no índice de depressão, ajudando a diminuir esta prevalência e é essencial na melhoria dos padrões de sono.

Em adultos, sabemos que existe menor risco de:
· Morte súbita;
· Dislipidemia;
· Síndrome metabólico;
· Cancro do cólon e mama.

Qual é o resultado que deve esperar?

Sabemos que a maioria dos benefícios do exercício físico e desporto podem ser adquiridos com pelo menos 150 minutos de atividade moderada ou vigorosa por semana. Esta atividade pode ser distribuída em, por exemplo, 20 minutos diários ou 50 minutos, três vezes por semana.

O aumento do volume da atividade seja na intensidade, frequência ou duração podem ainda contribuir para benefícios adicionais. No entanto, é importante relembrar que mesmo algum tipo de atividade física é sempre melhor que nenhuma!

A prescrição de exercício físico deve ser adaptada individualmente em função dos objetivos do atleta e/ou das patologias de base do indivíduo.

Antes de se iniciar na prática de exercício físico e desporto, pode ser necessário fazer um check-up, pois é importante adaptar a prática desportiva perante a existência de limitações médicas ou morfológicas e prevenir o agravamento pelo desporto de condições médicas pré-existentes.

Consulte o seu médico de medicina desportiva para prevenir riscos cardiovasculares e para prescrição de exercício específico com estratégias visando a prevenção de lesões.
CF051246

Dra. Diogo Miranda Santos

Centro Inovação Médica. É da sua Saúde que se trata.

// Especialidades

Pediatria

Genética

Medicina Desportiva

Consulta da Mama

Nutrição

Nutrição Grávida

Dor Musculo-Esquelética

Medicina Geral e Familiar

Podologia Postural

Cardiologia Adulto

Cardiologia Pediátrica e Fetal

Psiquiatria

PedoPsiquiatria

Psicologia 


// Cirurgias

Cirurgia Metabólica

Mamoplastia de Aumento

Mamoplastia de Redução

Lipoaspiração

Abdominoplastia

Lifting braços e pernas

// Imagem 

Saúde Estética e Antienvelhecimento

Rejuvenescimento e Rugas

Botox e Ácido Hialurónico

Parceiros

parceiros_CHUSJ
parceiros_ordem
parceiros_linea
parceiros_polytech
ALS_3570


logo_CIM
Av. Fernão de Magalhães 1611
4350-170 Porto

Seg-Sex: 09:00 – 21:00